Projetos

Para desenvolver a cadeia produtiva da uva e do vinho, o Ibravin executa projetos que visam congregar as vinícolas brasileiras. Esses projetos são viabilizados através de parcerias e convênios com diversas instituições e órgãos governamentais.

Entre as entidades parceiras do Ibravin estão:

  • Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX-Brasil)
  • Emater/RS Ascar
  • Associação Brasileira de Enologia (ABE)
  • Embrapa Uva e Vinho
  • Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)
  • Ministério de Relações Exteriores (MRE)
  • Secretaria de Agricultura e Pecuária do Estado do Rio Grande do Sul
  • Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae)
  • Sindicatos de Trabalhadores Rurais (STRs)
  • Secretaria de Desenvolvimento Rural e Cooperativismo (SDR)
  • Sindicatos Rurais

Instituições de ensino como universidades e centros de pesquisas também prestam apoio ao Ibravin na realização de seus projetos. A execução desses planos fica a cargo de entidades especializadas, consultores contratados pelo Ibravin ou pelo corpo técnico do próprio instituto, dependendo da situação. O andamento é acompanhado pelo Conselho Deliberativo, que conta ainda com as proposições e pareceres do Conselho Consultivo.

As ações cobrem todas as pontas da cadeia produtiva da uva, desde o cultivo das videiras até o posicionamento dos derivados da fruta no mercado. Os projetos de desenvolvimento não contemplam apenas os produtos finais, mas todos os envolvidos na sua elaboração. Assim, são realizados com frequência cursos, workshops e treinamentos para a capacitação de todas as pessoas envolvidas de alguma forma com o vinho brasileiro.


Vinhos do Brasil

O projeto Vinhos do Brasil tem como objetivo promover a ampliação do consumo de vinhos, espumantes e demais derivados de uva no mercado brasileiro. Para isso, desenvolve campanhas promocionais para consumidores e canais, projetos de acesso a mercado, feiras, eventos de degustação e treinamento de equipes de serviço do vinho. Também é responsável pelo relacionamento do setor com compradores, canais de distribuição, jornalistas, sommeliers e formadores de opinião.No mesmo sentido, a equipe Vinhos do Brasil atua na disseminação da cultura do vinho nos âmbitos comportamental, gastronômico e técnico, utilizando uma linguagem acessível a todos os apreciadores da bebida. Tem como fonte de recursos o Fundovitis, além do capital investido pelas próprias empresas participantes das ações e do apoio de parceiros estratégicos como SEBRAE, SENAC e outras entidades.

100% Suco De Uva Do Brasil

O projeto 100% Suco de Uva do Brasil é desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin). O programa abrange os estabelecimentos que elaboram sucos de uva 100% natural e prontos para beber no Brasil. Atualmente, 16 empresas integram o projeto. O trabalho tem por objetivo realizar ações de promoção, divulgação e integração do setor, no mercado interno, capacitando produtores e adequando processos e produtos para fortalecer a imagem dos sucos de uva 100%. Avaliação de mercado, participação em feiras e eventos, interação com formadores de opinião, rodadas de negócios com agentes do trade e ações promocionais são algumas das atividades desenvolvidas.

Os projetos Vinhos do Brasil e 100% Suco de Uva do Brasil dividem suas ações nas seguintes linhas de atuação:

Promoção Comercial:

São os esforços para aproximar as empresas do setor vitivinícola, seus canais de distribuição e o consumidor final. As ações focam tanto na criação de ambiente para a consolidação de negócios (feiras, degustações com públicos especializados, encontros com compradores) quanto na ampliação do mercado para todos os derivados de uva.


Posicionamento e Imagem:

Abertura de canais que divulguem a qualidade dos sucos, vinhos e espumantes brasileiros para os mercados interno e externo. O trabalho passa pelo relacionamento com formadores de opinião – como críticos, jornalistas e sommeliers – e geração de conteúdo para mídias tradicionais e novas plataformas de comunicação.


Informação:

As conquistas e os avanços do setor vitivinícola brasileiro são divulgados por meio de uma ampla rede de comunicação, atingindo desde o público final até os próprios agentes da cadeia, proporcionando a troca de experiências. Além dos materiais informativos desenvolvidos especialmente para esse fim, são realizados encontros regulares abordando temas como aspectos técnicos, comportamento dos mercados e o surgimento de tendências.


Projetos Especiais:

Para destacar a cadeia produtiva brasileira da uva não basta exaltar a qualidade dos produtos. É preciso inovar, ousar, marcar posição junto ao público. Nesse sentido, são desenvolvidas iniciativas que sacodem a rotina dos consumidores e tiram a indústria da zona de conforto, chamando a atenção para o potencial que o setor tem no país.


Apoio a promoção e qualificação:

A capacitação dos agentes do setor vitivinícola é essencial para o avanço da categoria. Por isso a preocupação dos projetos ligados ao Ibravin em criar espaços de qualificação nos mais diversos ramos do conhecimento. A atualização de conceitos por meio de missões técnicas, seminários e parcerias com fornecedores faz parte desse esforço.


Ações Institucionais:

A articulação da vitivinicultura brasileira com seus parceiros e fornecedores, assim como o posicionamento político frente a questões que tocam o setor, mostram a unidade e a coerência da cadeia produtiva. Por meio dessas ações, os projetos ligados ao Ibravin se fazem presentes em eventos no mundo todo, divulgando nossos produtos.


Wines Of Brasil

Promover a qualidade dos vinhos brasileiros no mercado internacional é a principal missão do projeto Wines of Brasil. Para isso, desenvolve um trabalho que começa dentro das vinícolas, orientando os produtores no caminho que leva à exportação, e resulta em ações de divulgação em diferentes partes do mundo, como a participação em feiras enológicas e o contato direto com agentes do trade e formadores de opinião.

Criado em 2002, é mantido por meio de uma parceria entre o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Também conta com o apoio de instituições como Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ministério de Relações Exteriores (MRE) e Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento do Rio Grande do Sul (SDPI).

Está aberto a todas as vinícolas brasileiras interessadas em atingir o mercado externo, contando hoje com a participação de 31 empresas. O projeto atua de forma global, mas cinco mercados internacionais são considerados prioritários: Alemanha, Estados Unidos, Inglaterra, Holanda e China.

Os projetos Vinhos do Brasil e 100% Suco de Uva do Brasil dividem suas ações nas seguintes linhas de atuação:

Promoção Comercial:

São os esforços para aproximar as empresas do setor vitivinícola, seus canais de distribuição e o consumidor final. As ações focam tanto na criação de ambiente para a consolidação de negócios (feiras, degustações com públicos especializados, encontros com compradores) quanto na ampliação do mercado para todos os derivados de uva.


Posicionamento e Imagem:

Abertura de canais que divulguem a qualidade dos sucos, vinhos e espumantes brasileiros para os mercados interno e externo. O trabalho passa pelo relacionamento com formadores de opinião – como críticos, jornalistas e sommeliers – e geração de conteúdo para mídias tradicionais e novas plataformas de comunicação.


Informação:

As conquistas e os avanços do setor vitivinícola brasileiro são divulgados por meio de uma ampla rede de comunicação, atingindo desde o público final até os próprios agentes da cadeia, proporcionando a troca de experiências. Além dos materiais informativos desenvolvidos especialmente para esse fim, são realizados encontros regulares abordando temas como aspectos técnicos, comportamento dos mercados e o surgimento de tendências.


Projetos Especiais:

Para destacar a cadeia produtiva brasileira da uva não basta exaltar a qualidade dos produtos. É preciso inovar, ousar, marcar posição junto ao público. Nesse sentido, são desenvolvidas iniciativas que sacodem a rotina dos consumidores e tiram a indústria da zona de conforto, chamando a atenção para o potencial que o setor tem no país.


Apoio a promoção e qualificação:

A capacitação dos agentes do setor vitivinícola é essencial para o avanço da categoria. Por isso a preocupação dos projetos ligados ao Ibravin em criar espaços de qualificação nos mais diversos ramos do conhecimento. A atualização de conceitos por meio de missões técnicas, seminários e parcerias com fornecedores faz parte desse esforço.


Ações Institucionais:

A articulação da vitivinicultura brasileira com seus parceiros e fornecedores, assim como o posicionamento político frente a questões que tocam o setor, mostram a unidade e a coerência da cadeia produtiva. Por meio dessas ações, os projetos ligados ao Ibravin se fazem presentes em eventos no mundo todo, divulgando nossos produtos.


O Programa VISÃO 2025 estabelece diretrizes, metas e ações fundamentais para o desenvolvimento ordenado do setor vitivinícola do Rio Grande do Sul nos próximos anos. É importante esclarecer que as estratégias de desenvolvimento do setor vitivinícola do Rio Grande do Sul repercutem em toda a vitivinicultura brasileira.
O projeto original foi realizado entre o IBRAVIN e o SEBRAE-RS entre 2005/2006 e teve em sua fase de planejamento a coordenação técnica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Acima de tudo, o Plano Visão 2025 é fruto do trabalho de centenas de especialistas e dezenas de entidades que contribuíram ao longo de 18 meses com tempo e ideias nos diversos workshops, seminários e entrevistas realizados pela equipe de projeto. A participação da equipe técnica da Embrapa Uva e Vinho na elaboração do projeto Visão 2025 foi fundamental.


Missão:

Elaborar e comercializar vinhos e sucos de alto padrão, que concorram com os melhores do mundo, com paixão e respeito ao consumidor, ao meio ambiente e a toda a cadeia produtiva, promovendo a educação e a cultura do vinho em todo o país.

Visão:

Em 2025 o vinho será a bebida de consumo corrente às refeições e estará presente nos momentos familiares e sociais como uma fonte de prazer, saúde e qualidade de vida.
A cultura do vinho estará estabelecida no país e o consumo será crescente e estimulante para todo o setor, atingindo 9 litros per capita ao ano.
O setor vitivinícola gaúcho terá uma participação dominante neste crescimento com produtos respeitados pela sua qualidade e tipicidade.
Nossa presença no mercado externo será sólida e sustentável, exportando acima de 20% da nossa produção de vinhos finos. O Brasil será reconhecido como um país que superou seus desafios e consolida-se como um produtor de vinhos diferenciados, consistentes e únicos.

Desafios Críticos:

  • Desenvolver um programa de ações promocionais sistemáticas que estimulem uma mudança cultural em direção ao consumo de vinho no Brasil;
  • Pesquisar e compreender de forma aprofundada o mercado consumidor Brasileiro;
  • Aperfeiçoar o foco estratégico da indústria e da viticultura em direção a produtos de qualidade superior; foco na qualidade das uvas é fundamental;
  • Criar uma imagem clara do vinho brasileiro, que permita aos consumidores uma escolha sensata e bem informada;
  • Eliminar barreiras ao consumo regular e saudável, sejam elas climáticas, culturais, de conhecimento, de preço, de sentimentos antialcoolismo, ou outras;
  • Incorporar e difundir as melhores práticas de produtividade e qualidade de forma a manter produtos consistentes e confiáveis no mercado;
  • Explorar e promover intensivamente os produtos premium e de excelência do setor, tais como os espumantes, carreando benefícios de imagem para os demais;
  • Aperfeiçoar e ampliar o relacionamento com o varejo em todos os níveis;
  • Organizar uma estrutura de “inteligência competitiva” visando monitorar e analisar sistematicamente o ambiente competitivo e a eficácia das estratégias de marketing empregadas pelo setor;
  • Aperfeiçoar o sistema de distribuição, aumentando a disponibilidade de produtos em todas as praças e pontos, explorando a logística como fator de vantagem competitiva;
  • Maximizar relacionamentos com agentes em todos os níveis de governo;

O programa compreende projetos e subprojetos nas seguintes áreas:


Área de Mercado:

  • Marketing para vinhos de mesa;
  • Marketing para vinhos finos e espumantes;
  • Programa de educação do consumidor brasileiro;
  • Observatório econômico setorial;
  • Práticas desleais de mercado.

Área de Tecnologia:

  • Produção de mudas;
  • Qualidade da matéria prima;
  • Indicações Geográficas e Zoneamento Agroclimático.

Área de Legislação:

  • Aperfeiçoamentos na legislação;
  • Internalização da norma vitivinícola do Mercosul;
  • Definição estratégica de categorias de produtos;
  • Definição estratégica de produtos;
  • Definição de qualificadores de produtos;
  • Aperfeiçoar o sistema de fiscalização;
  • Estudos de tributação brasileira;
  • Estudos de tributação do Mercosul.

Área de Logística:

  • Suprimentos vitícolas;
  • Suprimentos vinícolas;
  • Distribuição.


Implantados no principal Estado produtor, o Rio Grande do Sul, estes dois cadastros, contemplados por grupos de ações distintas, propiciam informações que permitem um controle de produção mais rigoroso. Implementado em janeiro de 2001, o Cadastro Vinícola apresenta dados permanentemente atualizados relativos à atividade, como estoques de derivados da uva, volumes de comercialização, entre outros.

As informações são prestadas mensalmente pelos estabelecimentos vinícolas ao órgão responsável pelo controle da produção – a Divisão de Enologia do Departamento de Produção Vegetal da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Estado – através do freeware SisDeclara.

Por meio do Cadastro Vitícola – desenvolvido em convênio com o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa); Secretaria de Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa) e a unidade Uva e Vinho da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) –, são compiladas as mais diversas informações relacionadas à produção de uvas, como a área de vinhedos e as variedades e quantidades colhidas por propriedade. Para execução do projeto, todos os anos os viticultores preenchem um formulário e declaram seus dados.

Tal operação atinge consideráveis proporções, pois envolve a prestação de informações por milhares de famílias produtoras de uva. O processamento é feito em parceria com os órgãos oficiais de apoio à agricultura e os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais locais.


As ações para o desenvolvimento do mercado de derivados da uva no Brasil são fundamentadas em pesquisas quantitativas e qualitativas que esmiúçam o cenário de compra e venda dos produtos no país. Além de oferta e demanda, os diagnósticos abordam questões de comportamento dos consumidores, tendências, situação dos pontos de venda, ramais de distribuição, entre outros aspectos. Esses estudos podem ser comissionados a instituições de ensino, centros de pesquisa ou consultorias especializadas, dependendo da necessidade.

Entre os levantamentos mais relevantes realizados nos últimos anos para o setor, vale citar o executado entre 2007 e 2008 para orientar as ações de promoção e comunicação, a cargo da consultoria Market Analysis. A partir da contextualização do mercado segundo seu tipo, dinâmica e estrutura, o estudo ajudou a mostrar qual a posição do vinho brasileiro como categoria de produto diante da oferta e da demanda. Ao perfilar os rótulos nacionais oferecidos aos consumidores, foi possível reconhecer as tendências e os possíveis rumos a seguir.

Em 2001, outra pesquisa foi feita pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios (CEPAN) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Ela apresentou como principal objetivo a avaliação do mercado brasileiro de vinhos, espumantes e sucos de uva, tendo três focos de investigação: consumidores finais, canal de distribuição e avaliação de quatro vinhos comuns de São Paulo.


Análises que realizamos

O LAREN realiza exame organoléptico, densidade, extrato seco, cinzas, grau alcoólico, açúcares totais, acidez total, acidez volátil, pH, sulfatos, anidrido sulfuroso total, cloretos, corantes, edulcorantes sintéticos, diglicosídeo de malvidina, isótopos estáveis de carbono, água exógena - razão isotópica do oxigênio, dentre outras.

O LAREN possui uma estrutura completa com equipamentos modernos de última geração para análises, controle e fiscalização em vinhos e derivados, bem como para análises de prestação de serviço e pesquisa, sendo credenciado junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Também realiza análise da razão isotópica do carbono em vinhos e derivados da uva e do vinho e análise da razão isotópica do oxigênio da água em vinhos e derivados. O credenciamento foi obtido a partir da implementação da norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 - Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração.